Miguel


De tantos nomes. De tantas histórias. A tua me chocou mais, Miguel. Tu só tinhas 5 aninhos. Nem tinha noção das maldades dessa vida. Tudo que você queria era sua mãe. Aquele povo estranho, que te olhava estranho estava te dando medo, né? Eu sei que olhar é esse, Miguel. Eu já o vi. Eu já fui a criança que acompanhava a mãe ao trabalho porque ela não tinha com quem me deixar. Eu já estive no teu lugar, Miguelzinho. A dor tem que dar lugar à revolta, meu amor. Ninguém pode te esquecer.


Hoje queria muito falar sobre racismo no Brasil, sobre o medo dos brancos de serem apontados como racistas. Sobre a falsa manifestação de revolta pelo que aconteceu naquele país tão idolatrado na última terça-feira, quando tantos compartilharam, mesmo sem saber a razão, uma tela preta em seu Instagram. Na quarta, Miguel morreu. Morreu por desprezo. O nome não é negligência, o nome é DESPREZO. Desprezo pelo menino negro, desprezo pelo menino pobre. Miguel morreu por desprezo.


Isso não pode ser esquecido. Isso não pode ficar impune. Não agora. Não mais. Justiça para Miguel.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Hoje, finalmente, Donald Trump deixou a Casa Branca e não é mais o Presidente dos Estados Unidos da América. Há pouco mais de quatro anos atrás, quando vi o nome dele ser considerado para a candidatur

Na linhagem feminina da minha família, minha geração foi a primeira a não ter nenhuma madalena. Minha avó e minha própria mãe foram, pelo menos por um período de tempo da vida delas, madalenas. Elas f