• Tassi Oliveira

Em que semana estamos mesmo?

Já meio perdido no tempo, não é? Pois aqui também. Seguimos respeitando o afastamento social e alternando momentos de surtos e de pés no chão. O que fazer para não enlouquecer na quarentena, hein? Eu ainda não sei. Esse texto vai ser muito aleatório, porque eu tenho muita coisa na minha cabeça agora e ao mesmo tempo não quero me aprofundar em nada. Vamos lá.


Fazer parte da história é muito difícil


A Simone de Beauvoir viveu as duas grandes guerras e boa parte da Guerra Fria. A mulher enfrentou uma sociedade inóspita para a sua genialidade e conseguiu marcar seu nome na história. Claro que entendemos o quão privilegiada ela foi em diversos sentidos, mas este não é o foco. Também não é o foco me comparar a ela... jamais!! Eu to falando das mais diversas simones existentes hoje, de todas as cores e escolaridades. Estou falando das mentes pensantes e pulsantes desse país que, apesar dos pesares, continuam se expressando e respirando mesmo que com o corpo quase todo abaixo do mar de lama e merda em que vivemos.


Respiros de sanidade em época de loucura são pessoas que lutam pela informação científica e pelas artes enquanto tantos outros lutam exatamente pelo contrário. Professores-pesquisadores, cantores e cantoras, atores-humoristas: todos eles têm me feito respirar enquanto a onda de lama sobe. É difícil lutar contra o ódio e a desinformação. As pequenas vitórias precisam ser celebradas e serão, ao mesmo tempo, é preciso ficarmos atentas/os para que não nos deixemos levar.


Como assim você torce pela briga?


Sexta passada o dia se resumiu a um assunto: a briga dos compadres Moro e Bolsonaro. Em um momento jocoso, disse que nessa briga, eu torceria pela briga. Fui criticada por, de acordo com a visão do meu amigo, eu estar torcendo contra o Brasil. Honestamente, respondi a ele que não foi isso que disse. Eu jamais torceria contra o meu país, mas eu disse que não há nada de bom para defender dessas pessoas. Ambas são tóxicas ao país e, torcer pela briga delas, significa torcer pelo melhor para o Brasil. Torcer para que elas deixem o governo, é torcer pelo melhor para o país e, sim, quem de fato não apenas torceu contra, mas também contribuiu para isso tudo, foi quem apertou 17 ou ficou neutro naquele outubro de 2018.


O que mais será preciso acontecer para o feitiço quebrar? Fico feliz, e vigilante, porque algumas pessoas que eu amo estão desencantadas. É preciso ficar em cima, uma vez que da mesma forma que elas se encantaram da primeira vez, pode acontecer de novo. As bolhas das redes sociais servem para isso. Você só consegue a liberdade completa se sair destas bolhas, se colocar em questionamento aquilo que recebe. Não custa verificar informações, não custa acreditar na imprensa. Se não acredita, procura os órgãos oficiais diretamente, já que a imprensa ajuda a conectar você com as informações oficiais. Mas não acredita em montagem de Whatsapp, não acredita em texto sem fonte/sem autoria. Não acredita nos Bolsonaros.


Beber água sanitária


E aí a cereja no bolo do acreditar em absurdos só porque é "seu malvado favorito" que está falando aconteceu semana passada. Por muitas vezes brinquei dizendo que se Bolsonaro (ou Trump) mandasse o povo comer cocô, eles comeriam. Não foi cocô, mas foi água sanitária. Sim. Atenção pessoa do futuro, Trump, presidente atual dos EUA, falou em uma coletiva de imprensa que beber água sanitária ou desinfetante poderia limpar os pulmões do coronavírus. Sim, é verdade. Pode checar. E, sim, é verdade que teve gente que bebeu água sanitária. Não achei os números agora, mas as marcas de desinfetantes, o FDA, todos os jornais e artistas tiveram que alertar que beber água sanitária não mata o vírus.


Aliás, lembrei uma piada que ouvi do meu companheiro (que é um tanto sarcástico): "De fato, se você beber água sanitária você não vai morrer da covid-19".


Gente... depois dessa. Eu compreendo que existe uma parcela da humanidade que está completamente perdida. Não há como tirá-las dessa hipnose. É impossível.


Pequenas vitórias...


Sobrevivi a mais uma semana; minha família está bem e protegida; meus amigos estão surtando, mas com os pés no chão; tem rolado encontros virtuais para filosofar e ainda consigo pagar as contas. Viva! Acabou mais uma semana...

8 visualizações

©2020 por Tassi Oliveira. Orgulhosamente criado com Wix.com